QUE REFORMAS POLÍTICAS E PROJETOS DE INVESTIMENTOS ESTRUTURAIS PARA CABINDA PROCESSO POLÍTICO DE CABINDA, UMA RESPONSABILIDADE, UMA EXIGÊNCIA E UMA PRIORIDADE PATRÓTICA.
Esta reflexão e debate merecem uma oportunidade de serem aprofundadas numa altura em que nos bastidores da comunidade internacional se movimentam pessoas e grupos de pressão sobre o futuro próximo de Kabinda. Enquanto a agenda Angolana para Cabinda se centra nas eleições de 2017, a ausência em Cabinda do impacto, das petrolíferas, da Agência Nacional de Investimentos Públicos e do Fundo Soberano de Cabinda extraviado para Angola e a necessidade  premente de reformas políticas institucionais e democráticas de fundo, entre as quais a revisão do futuro estatuto de Kabinda e a Carta dos direitos humanos naquele território/ protectorado de Portugal ocupado, anexado, colonizado, explorado à outrance e mantido num estado de insegurança permanente sub-desenvolvimento atroz e sem limites por Angola desde 1974. A Flec e o Conselho nacional do povo de Cabinda projectam o processo político de Cabinda numa base transitória para dar lugar a uma nova ordem política e económica para o território liderada pela Frente de Libertação do Estado de Cabinda para a qual Angola é convidada a ter um papel construtivo e cooperativo atendendo à conjuntura económica particularmente difícil que Angola enfrenta no contexto de um profunda e acentuada crise do petróleo e do processo de Cabinda que promete se prolongar e se generalizar em toda a Angola.

Kabinda, 7 de Maio de 2015

DIREÇÃO POLÍTICA

FLEC

CONSELHO NACIONAL DO POVO DE CABINDA

PRESIDENTE  EXECUTIVO

STEPHANE BARROS