Muito bom dia, irmãos e compatriotas.

Antes de tudo quero agradecer à todos que de uma forma ou de outra têm
mantido a chama da revolução cabindesa acesa. Começamos hoje a última
semana de 2015, Ano em Cabinda completou 40 anos de ocupação angolana.
Convido a todos de fazerem uma retrospectiva da nossa história e
refletirem sobre os ganhos e perdas, desde o inicio da luta armada até
hoje.
Se acharem que realmente temos conquistado vitórias com as formas de atuar
até agora, isso significa que estamos no bom caminho e assim devemos
continuar. Caso contrário, que tenhamos a humildade de reconhecer os erros
e a coragem de enveredar por um caminho diferente.
Para que qualquer ação tenha sentido na nossa luta, é preciso lembrar e
jamais esquecer que a cima de tudo os anseios do nosso povo são a
restauração da identidade que lhe foi roubada, a conquista da dignidade
que há 40 anos sob ocupação angolana deixou de ter, e a liberdade de poder
decidir sobre o seu próprio destino. Os 40 anos anos da presença angolana
em Cabinda não acrescentaram nada senão a humilhação, a miséria, a
destruição, a depredação das nossas riquezas, e o total atraso em todos
sentidos.
Enquanto o petróleo de Cabinda constrói Angola e enriquece angolanos,
Cabinda parou no tempo, as nossas populações vivem abaixo do limiar da
pobreza, com o olhar indiferente dos saqueadores dos nossos recursos.
Porque para estes, a felicidade não é apenas de nos tirarem tudo, mas
também de nos reduzirem à mendigos. Irmãos, não precisamos esperar mais
40 anos para virarmos o jogo. Está mais do que na hora reconhecermos as
nossas fraquezas e adotar uma nova conduta que nos leva à um combate sério
e credível para uma solução justa e definitiva do caso de Cabinda.
Durante 40 anos os as autoridades e os intelectuais angolanos esconderam a
verdadeira história de Cabinda. As mentiras contadas ao longo dos anos se
tornaram a única verdade que muitos jovens angolanos e cabindeses sabem, o
que em nada abona à nosso favor.
Os angolanos não fazem quaisquer tipos de investimentos em Cabinda porque
sabem que um dia, cedo ou trade terão de abandonar a terra onde apenas
pilham os recursos.
Não podemos cruzar os braços e esperar a boa vontade dos invasores.
Não podemos mendigar por uma solução alternativa para a solução do Conflito.
Não podemos continuar passivos perante a destruição da nossa cultura e a
ocultação da nossa história.
Irmãos, que o ano de 2016. Seja o inicio de uma nova era.
Precisamos esclarecer ao povo angolano que não somos inimigos, e que nada
temos contra Angola, mas queremos que as autoridades de Luanda tenham a
coragem de repor a verdade e parar com a exploração selvagem à qual impõe
o povo irmão de Cabinda.
Viva a resistência Cabindesa
Viva o Povo de Cabinda
Unidos venceremos..
GOVERNO DE CABINDA \(FLEC\) a écrit :
 Mensagem Da FLEC.

A partir de 2016, apelamos todo Povo de Cabinda do interiore para começar
a queimada das bandeiras do MPLA e do governo de Angola em todo territorio
nacional de Cabinda.
Abaixo MPLA e o seu José Eduardo dos santos.
Quadrilha dos criminosos.e. Viva FLEC
Cabinda livre. Viva FLEC