Governo de Angola acusado de negligenciar Cabinda

September 11, 2014

Luanda estará a negligenciar Cabinda? Há quem acuse o Governo central de ter reduzido os investimentos e aumentado os impostos naquele enclave angolano, dificultando a vida às populações.

É cada vez maior o isolamento da província de Cabinda do restante país, acusa o secretário provincial executivo do partido da oposição Convergência Ampla de Salvação de Angola-Coligação Eleitoral (CASA-CE), José Fernando Lello.

O enclave não tem ligação terrestre com o resto de Angola e depende das importações de produtos dos países vizinhos, como o Congo Brazzaville e a República Democrática do Congo. As altas taxas alfandegárias impostas pelo governo angolano, aumentadas em janeiro deste ano, têm dificultado os negócios dos empresários importadores. Por outro lado, não há investimentos diretos na produção local, ou mesmo na infraestrutura. O resultado é o encarecimento do custo de vida local, o que contribui para a deterioração da situação social e económica da população de Cabinda.

Falta de investimentos

José Fernando Lello, secretário provincial executivo da CASA-CE

Segundo José Lello, a província de Cabinda encontra-se parada no tempo. O líder da oposição acusou as autoridades de Luanda de egocentrismo para com as populações do enclave: “Nós assistimos em certas províncias a grandes projectos de desenvolvimento que os executivos locais constroem”. Mas em Cabinda, afirma o politico à DW África, só há pequenos projectos como: “reparações de coisas insignificantes, rotundas, construção de piscinas, quando as pessoas precisam de portos, precisam de hospitais, precisam de infraestruturas sociais, que contribuíssem para o próprio desenvolvimento da sociedade cabindense”.

Uma província abundante em petróleo, principal pulmão da economia angolana, que contribui com cerca de 90 por cento para o Produto Interno Bruto nacional, Cabinda não dispõe de nenhum posto aduaneiro. A população, que vive abaixo do limiar da pobreza, recorre frequentemente aos países vizinhos, principalmente à República Democrática do Congo e ao Congo Brazzaville, em busca de melhores condições de vida.

O êxodo da população

Os graves problemas infraestruturais abrangem sobretudo os sectores da Educação e da Saúde, e são um motivo maior para a emigração. Muitos cabindenses abandonam a província em busca de formação noutros países, de acordo com o líder da CASA-CE no enclave de Cabinda, José Lello: “Não só a formação superior, mesmo a formação média. O instituto de ensino médio, por exemplo, no início do ano, só tem 30 ou 40 vagas para um universo de 200 ou 300 alunos. A Universidade 11de Novembro nem recebe 50 estudantes por ano”. Por isso cresce a necessidade de recorrer aos países vizinhos, remata o político, acrescentando:”Os serviços de ensino público que temos aqui não satisfazem a necessidade da população.

Acusação de escravatura O secretário da coligação de Abel Chivukuvuku, e antigo jornalista vai ainda mais longe nas suas acusações contra o Governo do Presidente José Eduardo dos Santos, dizendo que a população de Cabinda vive na condição de escravos: “Cabinda é o pulmão da economia angolana, mas Cabinda não beneficia praticamente nada”.

 

FRENTE DE LIBERTAÇÃO DO ESTADO DE CABINDA CONSELHO NACIONAL DO POVO DE CABINDA

August 23, 2014


(NKOTO – LIKANDA) DECLARAÇÃO DE LISBOA RESISTÊNCIA, DEMOCRACIA E INDEPENDENCIAA Direcção política da Flec apoiada pelo Conselho nacional do povo de Cabinda (Nkoto  - Likanda) , a Ncpp/p ( Nova comissão política permanente / nacional, reunida em sessão ordinária em Lisboa,
1.     Renova o apelo vibrante patriótico da história, ao povo de Cabinda e á comunidade internacional, para que seja colocado um termo á ocupação do território de Cabinda, anexado e ocupado ilegal e ilegí...


Continue reading...
 

 

F A K

Forças Armadas de Kabinda

 

SIRKA

Serviço da Inteligência da Republica de Kabinda

 FLEC / FLEK

radio.mp3

Make a Free Website with Yola.