Mergulhado num mar de suspeitas e crimes políticos, jurídicos, financeiros de violações dos direitos humanos e de sangue, o processo político de Cabinda tornou -se uma nebulosa. Desde o fracasso do Memorando de entendimento, da avaliação (visitas guiadas pelos dignatários  do regime de ocupação à revelia dos legítimos representantes de Kabinda) da União Europeia sob o Consulado de Durão Barroso, da situação política em Cabinda, que a situação de deteriora.

Para a Flec apoiada pelo conselho nacional do povo de Kabinda, o processo de Cabinda deve se resumir em três palavras palavras : Resistência, Paz e Auto -determinação.

Com Angola a trocar terras por liquidez (25mil milhões de dólares) com a China , o conselho nacional do povo de Cabinda avisa que em Cabinda quem mais ordena é o povo, aquele que apoia  a Flec Conselho Nacional do povo de Kabinda e que os Cabindas não aceitam  o negócio e os termos de troca do mesmo entre Angola e a China, onde vai parar quase todo o petróleo de Cabinda em troca de sangue ,suor e lágrimas sem contrapartidas em termos de Democracia, Direitos humanos, desenvolvimento , paz, dignidade humana e política dos Cabindas e progresso socio económico. 

Em Cabinda os chineses construíram um estádio inútil enquanto o PORTO E O AEROPORTO INTERNACIONAL DE KABINDA, aguardam pela campanha eleitoral de 2017 para serem relançadas e germinar sine die

Enquanto isso urge construir e consolidar a unidade patriótica para melhor defender os interesses e os direitos fundamentais de Cabinda e proteger o povo de Cabinda, os refugiados de Cabinda em particular, espalhados e abandonados pelo mundo e garantir a sobrevivência do ideal de dignidade e liberdade humana e dos povos e da resistência patriótica de Kabinda, no âmbito da Flec Conselho nacional do povo de Cabinda e Governo Revolucionário de Cabinda no Exílio. (GRCE).

Cabinda, 01 de Junho de 2015

PELA NAÇÃO DE CABINDA

A FLEC

E O CONSELHO NACIONAL DO POVO DE CABINDA

A  direção Política.