Um derrame de petróleo no mar do enclave angolano

de Cabinda está a condicionar a atividade de quase 30 pescadores do município de Cacongo, foi hoje divulgado.

De acordo com fonte da secretaria provincial do Ambiente citada hoje pela imprensa de Cabinda, já foi confirmado tratar-se de um derrame de petróleo, que afeta as águas e a praia de aldeia de Mandarim.

"Apurámos que é verdade. Houve derrame, encontramos manchas negras", disse a fonte, mas sem esclarecer a origem, que será apurada após análise laboratorial.

A situação está a afetar pelo menos 26 pescadores daquela aldeia, que viram os utensílios destruídos pelo derrame. De acordo com a mesma informação, a petrolífera norte-americana Chevron, que opera na produção de crude no mar de Cabinda - o enclave assegura a maior parte da produção angolana de petróleo -, está a apoiar as operações de limpeza em curso no município de Cacongo.

A associação Voz do Pescador de Cacongo, que nos últimos anos tem denunciado vários derrames de petróleo no mar de Cabinda, tem em curso um levantamento sobre os prejuízos agora causados.