TERRORISTAS OU OPORTUNISTAS, INTERMEDIÁRIOS OU COMISSIONISTAS AO SERVIÇO DO LADO NEGRO DA FORÇA (A PARTE NEGATIVA DO CONFLITO (OCUPAÇÃO) PARA NEGOCIAR COM ANGOLA A INDEPENDÊNCIA DE CABINDA.

UNIÃO, EXIGÊNCIA, VERDADE, RESISTÊNCIA E RESPONSABILIDADE

UMA LIDERANÇA E UM DISCURSO PATRIÓTICOS, EXIGENTES E INCONFORMADOS Para cumprir o desígnio nacional de libertação e independência de Cabinda devemos acrescentar à liderança esclarecida, descomprometida e forte, uma democracia adulta em Angola e em Cabinda e uma comunidade internacional (de interesses) atenta, responsável e prestigiada.  No processo de resistência, libertação e de resolução do conflito a união entre os Kabindas é fundamental. Não faz sentido de uns Kabindas se embrulharem ingenuamente no mpla, na unita, na casa e noutros partidos angolanos por mais filantrópicos que sejam ou aparentam ser, porque pouco ou nada fazem de sério e eficaz em Cabinda e por Kabinda.

Até agora, volvidos 40 anos de ocupação, apenas se sevem e serviram à grande e à francesa, de Cabinda (fundo do petróleo de Cabinda / transformado em fundo Soberano de angola, e o gaz de Kabinda desviado por gasodutos sub – terrâneos e sub - aquáticos para Soyo e para a produção de gaz Natural liquefeito / Angola ).

Basta de indecência e de falta de bom senso. Perante a tirania política e da escassez em Cabinda, os oprimidos, os espoliados e desesperados não têm que esperar mais e nem atender à Roma lucuta, causa finita.

Todos os Cabindas/Kabinda e patriotas devem cerrar fileiras em torno do essencial e focar nas legítimas, justas, aspirações e reivindicações independentistas, escolher e apoiar a alternativa da Flec unida, combatente, resistente e obviamente também dialogante e descartar as opções imediatistas e espúrias de streap - tease político como o Forum Cabindês para o Diálogo (já liquidado pelo mpla) e o Forum Consensual de Cabinda ou inter - Cabindesa (em vias de morrer no ovo).

Cabinda, 28 de maio 2014

FLEC

CONSELHO NACIONAL DO POVO DE KABINDA (NKOTO – LIKANDA)

A COMISSÃO EXECUTIVA DA FLEC / O GOVERNO REVOLUCIONÁRIO DE CABINDA NO EXÍLIO (CEF/ GRCE)

DCTI/ M&P

E. NGUIMBI