Em discurso em Detroit, Romney diz que vai reduzir impostos para aumentar geração de empregos

Em discurso em Detroit, Romney diz que vai reduzir impostos para aumentar geração de empregos

Pré-candidato à Presidência dos EUA afirma em Detroit ter 'aprendido com os erros do passado'

O pré-candidato republicano à Presidência dos Estados Unidos, Mitt Romney, afirmou nesta sexta-feira (24) ser o único capaz de vencer o atual mandatário democrata Barack Obama, que tenta a reeleição no pleito de 6 de novembro, em campanha em Detroit, no Estado de Michigan.

"Não só penso que tenho a melhor chance, acho que tenho a única chance de vencer Obama", disse.

Na cidade, que é sede das três maiores fabricantes de automóveis dos Estados Unidos, Romney apelou para promessas de redução de impostos e da reestruturação do governo para recuperar a economia local.

O ex-governador de Massachusetts ainda tentou se retratar das críticas que fez ao resgate oferecido pelo governo americano às indústrias, que são a base da economia local e que foram alvo de manifestações contrárias de adversários e sindicalistas.

Os funcionários das fábricas, que, em sua maioria, são democratas e votantes de Obama, fizeram um protesto em frente ao estádio onde aconteceu o discurso do candidato, perfilando 26 carros com a mensagem. "Romney: deixe Detroit quebrar", em referência a uma frase que Romney disse à época da ajuda financeira, em 2009.

Sobre as críticas, ele disse que aprendeu com os erros do passado e que a indústria automotiva precisa ser "crescente e pujante" para garantir a solidez econômica de Michigan.

ATAQUES

O ex-governador de Massachusetts atacou o rival Rick Santorum, que lidera a disputa, segundo as pesquisas de opinião, em um comercial transmitido em Michigan e no Arizona, onde ocorrem primárias na próxima terça-feira (28).

Romney afirmou que o ex-senador abandonou seus princípios conservadores e tem pouca experiência em cargos de comando. Ele também critica o apoio à porto-riquenha Sonia Sotomayor, a primeira juíza latina da Suprema Corte dos Estados Unidos.

O anúncio chama Sotomayor de liberal e critica a negativa de Santorum ao apoio ao programa "E-Verify", contra a contratação de imigrantes ilegais. A magistrada é muito popular entre a comunidade hispânica.