Animando seus simpatizantes com músicas folclóricas e piadas, o presidente da Venezuela, Hugo Chávez, protagonizou uma despedida emocionada, enquanto venezuelanos que o apoiam rezavam em todo o país antes de sua viagem programada para esta sexta-feira a Cuba, onde será submetido a uma cirurgia contra o câncer. O anúncio de que ele precisa de uma operação para retirar uma provável lesão maligna de câncer desmentiu as afirmações anteriores de que Chávez estaria plenamente recuperado e trouxe incerteza à eleição presidencial de 7 de outubro.

Chávez disse que talvez precisará fazer um tratamento com radioterapia depois da operação marcada para o começo da semana que vem em Havana, onde ele já fez uma primeira cirurgia para a retirada de um tumor na pélvis no ano passado, sugerindo a perspectiva de outra convalescença demorada.

Apesar disso, ele fez uma série de aparições públicas.

"Sonhei há um tempo que Cristo vinha e dizia 'Chávez, levante, não é hora de morrer, é hora de viver'", disse ele, lembrando a história bíblica de Jesus ressuscitando Lázaro dentre os mortos.

"Se o câncer estiver de volta, eu o declaro 'esquálido' e ele será tratado impiedosamente e será derrotado", disse ele, usando um termo cunhado há alguns anos para ridicularizar a oposição na Venezuela.

Contando anedotas sobre sua infância e cantando canções folclóricas venezuelanas acompanhado por instrumentos tradicionais, Chávez buscou animar os simpatizantes em uma longa cerimônia realizada em um teatro de Caracas transmitida ao vivo, por ordem do governo, por todos os canais de TV venezuelanos.

Por todo o país, simpatizantes preocupados com a saúde de Chávez organizaram serviços religiosos e lhe enviaram mensagens. Um grupo esculpiu a forma de um coração nas dunas de areia da costa que são um popular destino turístico no oeste da Venezuela.

"SEM TRISTEZA"

A televisão estatal desenterrou imagens antigas de um jovem Chávez falando à multidão, beijando crianças e fazendo esportes.

"Somos a maioria; não há espaço para tristeza", disse o líder socialista a simpatizantes que aplaudiam e comemoravam cada palavra na cerimônia da noite de quinta-feira.

"Isso nunca esteve nos planos para 2012, mas esses são os caminhos de Deus e estou pronto para enfrentar qualquer dificuldade."

O líder da oposição, Henrique Capriles, governador do Estado de Miranda, de 39 anos, que tem como inspiração o modelo do governo brasileiro, deverá enfrentar o presidente na eleição de 7 de outubro.