Rafael Massanga Savimbi, filho de Jonas Savimbi, disse que a família do líder histórico da UNITA pretende que o governo autorize "um funeral condigno para o meu pai" para o levar de Luana para o Andulo.

Respondendo aos ouvintes da Voz da América, no programa Angola Fala Só, Rafael Massanga acrescentou que um funeral condigno "é um acto importante, como filhos e como africanos".


Rafael Massanga Savimbi

O corpo de Jonas Savimbi, morto fez esta semana 10 anos, no Moxico, foi enterrado sem ter sido entregue à família e sem um funeral tradicional.

O filho disse à Voz da América que o assunto foi apresentado ao presidente angolano, José Eduardo dos Santos, pelo presidente da UNITA, Isaías Samakuva, e que se espera uma resolução para o impasse.

Rafael Massanga disse que, inicialmente, foi dito à família que só era possível exumar um, corpo 5 anos após o óbito, tendo recordado que, entretanto, "já passaram 10 anos" sobre a morte do seu pai.

O filho de Jonas Savimbi, de 30 anos, formado em Gestão de Empresas, é membro da Comissão Política da UNITA e o seu responsável pelas relações com os países africanos.

Sobre a UNITA, afirma que "poucas organizações resistem ao desaparecimento do seu fundador" e que "é bom" o partido fundado pelo pai ter resistido.

Notando que "fazer oposição ao nosso regime é difícil", afirma que "não estamos a dormir na bananeira" e que "a direcção está nop bom caminho".

"Apesar das falhas, que não têm sido poucas, a UNITA tem feito o seu caminho" e dá ao povo angolano "a esperança de uma alternância" do poder, disse Rafael Massanga Savimvbi