A COMUNIDADE INTERNACIONAL: HIPOCRISIA, INDIFERENÇA, CINISMO,  NAÏVETÉ(INGENUIDADE) OU CUMPLICIDADE NO SEU SILENCIO E NA SUA PASSIVIDADE EM RELAÇÃO AO PROBLEMA DE KABINDA.

O historial e registo de negociações angolanas p Cabinda, que conteúdo, que eficácia e que credibilidade? Tudo udo espuma e folclore político. Em Kabinda só valem a diplomacia, os negócios e esquemas do petróleo de sangue de Cabinda,  para alimentar o criminoso regime de ocupação e colonização, daquele território, protectorado de Portugal ilegal e ilegitimamente ocupado por Angola em 1975. as negociações sobre Cabinda começaram em sáfica (Flecfac), passaram por luanda (Artur tchibassa (Flecfac), libreville (Flec renovada),  Namíbia  (Flec renovada), paris (Flecfac) para chegar ao cúmulo do ridículo das negociações de Brazzaville - Chicamba( abolição da Flec renovada) do memorando de entendimento que nem produziu o que se tinha proposto um estatuto especial, reconhecida e especialmente nulo, pior inexistente, e terminar com as ultimas negociações de Chiaca com a FlecFac ala alexTati, Estanislau. Boma e de Carlos Moises . Um fiasco com algum mérito pela coragem e lucidez política destes últimos protagonistas.

Qual será o próximo folhetim negocial á mpla para Cabinda? Com objectivos e resultados? Já se pode adivinhar o desfecho. Nunca existiu uma boa e verdadeira vontade política por parte do mpla e do governo de angola essa é a razão porque Angola insiste em dinamitar as iniciativas diplomáticas da Flec conselho nacional do povo de cabinda e afastar a comunidade internacional do processo de cabinda que o angola, o governo de angola, e o mpla e não só, pretendem afundar definitivamente. AFlec defendera com determinação e sem reservas a verdade e a justiça e a paz verdadeira no território de Cabinda, anexado, ocupado e colonizado por uma Angola totalitária e corrupta e terrorista.

Assim a legítima defesa dos interesses da Flec, da resistência do povo de Cabinda permanecem mais do que justificados e consolidados âmbito do conselho nacional do povo de Cabinda que coordena do movimento independentista de Kabinda.

KABINDA, 24 DE FEVEREIRO DE 2014

FLEC

CONSELHO NACIONAL DO POVO DE CABINDA

 

COMISSÃO EXECUTIVA (CEF)

DCTI/M&P